Faço tudo direitinho e a balança não mexe?

Veja lá se não será por causa disto! 🙂

mesa.jpg

Photo Credit: André Robillard in Unsplash

Sabe uma coisa que me dá imenso prazer? Ajudar alguém a perceber pequenos pormenores na sua rotina alimentar que, sem se dar conta, poderão estar a minar os seus objectivos de peso e saúde. Tento fazê-lo mantendo um padrão alimentar saudável e diversificado. Privilegio os momentos de alimentação com cor e sabor e que nos aproximam da família e dos amigos. Para termos um peso saudável e equilibrado não precisamos de fugir às refeições familiares nem aos encontros sociais.

Hoje vamos relacionar 2 ideias – saudável e livre consumo.

Será que o que é considerado saudável tem carta branca em relação a quantidades diárias?

Porque ninguém nasce ensinado é provável que em algum momento já possa ter associado algo saudável a um consumo mais livre e com zero consequências na gordurinha extra (que às vezes teima em tornar-se residente!)

Se é saudável posso comer à vontade?

Se é saudável é para comer sim. Agora à vontade, à vontade, já são outros quinhentos….

Explicando de uma forma muito simples, o nosso corpo precisa de energia para funcionar adequadamente e essa energia é-nos fornecida pelos alimentos que ingerimos. Se o meu corpo necessita de 2000 calorias (kcal) diárias para funcionar adequadamente e eu ingiro 2200 kcal então, todos os dias terei um excesso de 200 kcal que, não sendo necessárias, são armazenadas (O nosso corpo não desperdiça nada!). Pelo contrário, se ingerir 1800 kcal diariamente o meu organismo terá que se socorrer das suas reservas para fazer face ao défice diário de 200 Kcal e assim conseguir funcionar adequadamente. Neste caso, não há acumulação (aumento de massa gorda), mas sim diminuição das reservas de massa gorda (emagrecimento). Se eu mantenho um peso estável isso significa que existe um equilíbrio entre o que o meu corpo necessita e a energia que eu lhe forneço através dos alimentos que ingiro diariamente.

E quanto mais pusermos a máquina a trabalhar mais ela gasta! Ou seja, quanto mais me movimento ou exercito mais aumento o gasto energético contribuindo também para tornar o meu corpo mais robusto, saudável e resistente.

Então agora vamos lá raciocinar e fazer umas continhas para perceber melhor isto das quantidades.

Apresento-lhe a seguir um dia alimentar com 2 versões. Ambas com o mesmo padrão alimentar mas com quantidades ligeiramente diferentes.

comparacao-2-dias-alimentares-page-001-1

940 kcal de diferença entre 2 versões tão parecidas? Isto é o que deve estar a pensar certo? E consegue-o com uma perna às costas digo-lhe eu!

Vamos lá então a umas considerações para explicar melhor este meu exercício.

– não pretendi descrever um plano alimentar modelo (tipo one size fits all) até porque essa é uma prática contrária ao que nós nutricionistas fazemos, que é personalizar um plano alimentar de acordo com as necessidades nutricionais especificas de cada pessoa, com adequação ao seu estilo de vida e preferências alimentares. Limitei-me a descrever um dia alimentar que até lhe pode ser familiar

– não me foquei em todos os pormenores possíveis de mudança nem apontei o valor energético total de cada uma das versões porque o objetivo é apenas analisar a diferença calórica entre 2 versões onde a única alteração são mudanças ligeiras nas quantidades e não na sua estrutura

– outro aspeto muito importante que quero salientar é que nem tudo se resume a CALORIAS. Para o funcionamento adequado e equilibrado do nosso organismo é necessário uma sinergia entre macro e micronutrientes e por isso nem tudo se resume a calorias. No entanto, o objetivo de hoje era mesmo saber como “poupar” calorias com uma perna às costas J e demonstrar que sem grandes alterações radicais em quantidades, sabores ou estrutura alimentar conseguimos manter um padrão alimentar idêntico, com pouca alteração na sensação de saciedade.

Depois de ter reflectido sobre as diferenças subtis das 2 versões (e não tão subtis na diferença energética total) pense se face às suas necessidades energéticas e gasto energético diário não será necessário como primeiro passo um pequeno ajuste de quantidades (só lhe peço que não interprete este exercício como um incentivo à diminuição do número de refeições diárias e à redução drástica de quantidades ok?).

O exercício de hoje poderá ser um primeiro passo. O próximo poderá ser melhorar a qualidade nutricional dos alimentos que ingere. Se me for acompanhando irei abordando outros aspectos que estou em crer serão do seu interesse!

E não se esqueça de incluir (qualquer tipo de) actividade física na sua vida. Lembra-se do meu ultimo post? Pode começar por uma simples caminhada ou até por passear um bocadinho mais o seu bichinho!

Esta informação foi positiva para si? Então partilhe porque certamente também será importante para a sua família e amigos!

Eu vou-me mantendo deste lado e sempre que conseguir irei comunicar consigo de novo! Acha que é pedir demais se lhe pedir um feedback sobre o post? Ia gostar muito saber um pouco mais sobre si e também iria ajudar-me a orientar os meus próximos posts J.

Um beijinho muito grande! Deu-me imenso prazer partilhar este pequeno exercício consigo!

Até breve!

Sandra Ribeiro

Nutricionista

One thought on “Faço tudo direitinho e a balança não mexe?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *